Rastros Digitais
Redes de exploração sexual infantil em Barra do Garças

Esquema de taxista contava com mais 60 crianças e jovens, muitas da periferia da cidade de Barra do Garças, a 500 km de Cuiabá, capital de Mato Grosso. Entre os clientes estavam empresários, pessoas de classe média alta e turistas


Desde de 2012, Barra do Garças passa por operações policiais de combate à exploração sexual de vulneráveis, quando a vítima possui menos de 14 anos. A Polícia Judiciária Civil (PJC) conduziu mais de 40 pessoas acusadas de exploração durante as operações policiais Boneca de Pano 1 e 2 realizadas entre 2012 e 2017. Neste ano, a operação nacional Luz da Infância prendeu em Barra do Garças acusado de consumir distribuir conteúdo pornográfico infantil para outros países.

Dados da Secretaria de Segurança Pública apontam aumento de casos relacionados à exploração sexual e ao aliciamento de crianças através de tecnologias de comunicação no Estado. De 2014 a 2017, o número triplicou e chegou a soma de 149 registros. Quanto ao favorecimento à exploração sexual, a pesquisa mostra que em 2017 foram 50 casos confirmados.



Fonte: SESP/MT

Mato Grosso ocupa a segunda colocação em casos de exploração sexual infantil no Centro-Oeste. Entre janeiro e junho deste ano já foram registrados 29 casos, segundo o último balanço geral do Ministério dos Direitos Humanos. De 2012 a 2017, período das operações policias de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes, houve queda de 40% nos casos.

Segundo a PJC, em 2015 foram registrados 30 inquéritos de exploração sexual infantil contra 116 em todo MT. Já 2016 foram registrados 25 contra 70 casos no Estado. Barra do Garças concentra a média de 1/3 dos registros

A cidade possui posição estratégica no Estado. Sua localização geográfica e turística faz do município um dos pontos mais atraentes para turistas e viajantes. É porta de entrada da Amazônia Legal, faz divisa com o estado de Goiás e é atravessada pelas rodovias federais 070 e 158 que ligam Barra do Garças à capital Cuiabá, ao Estado de Goiás e aos municípios com forte atividade agropecuária. É constante o movimento de caminhões entrando e saindo em direção às lavouras de soja do Estado e deste em direção aos portos do país.

Escoamento de grãos e turismo, fomentado principalmente pela temporada de julho de praia nos rios Garças e Araguaia, parecem esconder as redes de exploração sexual de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social.

Segundo o Instituto Liberta, a exploração sexual é dividida em cinco modalidades:


Luciana Rocha, promotora de Justiça, esclarece que o problema da exploração sexual infantil em Barra do Garças está ligado ao turismo, à localização geográfica e ao tráfico de drogas.

A rota imensa de passagem de caminhoneiros, uma cidade turística com alguns festivais, já fixados no calendário, então é aí que vai ter pessoas novas na cidade, onde elas (as meninas) vão poder obter maior lucro, não só nas trocas sexuais por droga, mas também na exploração sexual agenciada", disse promotora

Este cenário favoreceu a criação das redes de exploração sexual de jovens e adolescentes em Barra do Garças. Além disso, apresenta uma diversidade de facetas que torna essas mesmas redes parte da cidade e difícil de ser detectada sem a ajuda dos rastros digitais.

Reportagens



Este material foi produzido a partir da proposta de pauta vencedora do 10º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão